5 indicadores de qualidade que não podem faltar no laboratório

dezembro 30, 2020

O acompanhamento dos indicadores de qualidade em laboratórios é uma atividade que deve fazer parte da rotina diária de gestores do setor. Para comprovar que a empresa presta serviços de excelência, com segurança e confiabilidade, é preciso verificar o cumprimento de diferentes requisitos no decorrer do processo completo de análise de uma amostra.

Os indicadores de qualidade são, então, os parâmetros que o laboratório precisa seguir para atestar a validade do seu trabalho. Quanto menores forem os desvios desses padrões, mais bem-avaliado é o local. Por isso, é fundamental monitorar cada indicador com regularidade e traçar planos de ações que evitem reincidências de desvios.

A quantidade de indicadores monitoráveis é bastante volumosa, portanto, o ideal é focar naqueles que causam mais impacto no seu descumprimento. Diante disso, listamos os 6 mais relevantes para que você comece a acompanhar o quanto antes. Confira!

1. ERROS NA ABERTURA DE CADASTROS

O primeiro ponto de atenção é também o primeiro ponto de contato entre o laboratório e as pessoas externas a ele, que são os pacientes e médicos. Todo o desenvolvimento do trabalho parte desse ponto, no qual as informações de cadastro são registradas no sistema do laboratório. Um erro nessa etapa pode colocar muita coisa em risco, como veremos abaixo.

Identificação equivocada do paciente ou do médico

Um erro no preenchimento do cadastro pode causar desde pequenos inconvenientes até grandes problemas para ambas as partes. O laboratório cuida de muitas informações confidenciais acerca da saúde de seus pacientes — algo que requer um cuidado especial.

Ao anotar as informações de forma equivocada, abre-se um precedente para erros subsequentes. Um número de telefone errado impossibilita o contato com o paciente; um médico trocado pode gerar um vazamento de informações sigilosas, entre outros tanto problemas.

Erro no cadastro dos exames

Assim como o cadastro das pessoas precisa estar correto, os exames devem estar devidamente preenchidos. Um erro no nome do exame ou nos valores apresentados nos resultados pode gerar até mesmo um diagnóstico equivocado.

Além de afetar a experiência do paciente, esse tipo de mal-entendido tende a gerar agravantes, pois caso ele não seja identificado, pode levar a pessoa a receber tratamentos inapropriados, que não resolvam ou que piorem seu estado de saúde.

2. FALHAS NA COLETA OU RECOLETA

Assim como a falta de coleta é um ponto de atenção, as coletas com erro ou as necessidade de recoletas acendem um sinal de alerta. Casos esporádicos são toleráveis, mas um aumento no percentual desses acontecimentos em relação ao total de exames realizados é algo que deve ser investigado.

Geralmente isso pode ser solucionado com um treinamento específico para a equipe, reuniões de alinhamento de procedimentos ou até mesmo implementando algumas mudanças operacionais.

Entre os casos mais comuns que afetam a qualidade da amostra estão:

  • coleta de tubo errado;
  • hemólise;
  • amostras coaguladas;
  • razão inadequada de sangue/anticoagulante.

3. PERCENTUAL DE EXAMES LIBERADOS NO PRAZO

A entrega pontual dos exames é um dos melhores indicadores de qualidade em laboratórios para apresentar aos clientes e parceiros. Mantendo-o em sempre dentro dos padrões de conformidade, a empresa demonstra compromisso e seriedade na prestação de seus serviços.

Para o mercado, é como dizer que se trata de um empreendimento confiável, que honra com seus acordos. As entregas de resultados fora do prazo devem ter as menores taxas possíveis, sendo o objetivo principal chegar a zero.

4. PERCENTUAL DE LAUDOS RETIFICADOS

O percentual de laudos retificados é mais um dos indicadores de qualidade em laboratórios que deve tender a zero. A retificação é uma prova de que houve um erro em algum ponto do processo de análise que impactou na veracidade do resultado apresentado.

Ou seja, é uma questão que fere a integridade da instituição, que expõe um ponto fraco de sua operação. Todos sabemos que imprevistos e erros podem acontecer em qualquer tipo de empresa, mas na área da saúde eles ganham um peso maior.

Por isso, é fundamental manter um bom controle da qualidade de cada etapa dos processos para evitar a necessidade de retificações e manter o indicador sempre com níveis bem baixos.

5. QUANTIDADE DE NÃO CONFORMIDADES

Por fim, o último dos indicadores de qualidade que não pode deixar de ser acompanhado no seu laboratório é a quantidade de não conformidades. Temos um post completo sobre isso. Esse indicador é ainda mais importante se você pretende passar por uma acreditação laboratorial.

As não conformidades podem estar relacionadas a diversos tipos de atividades dentro da empresa. Podem ser coisas simples, como a falha na compra de materiais, ou algo mais grave, como o descarte irregular de materiais. Seja qual for o caso, é muito importante corrigir o problema e eliminar a não conformidade.

A falta de acompanhamento desses e de outros indicadores de qualidade afeta gravemente o laboratório. Os impactos podem ser sentidos na segurança do local, tanto para os colaboradores quanto para os pacientes, ou até mesmo na imagem do estabelecimento perante o mercado.

Se você ainda não monitora alguns dos indicadores de qualidade em laboratórios que listamos neste artigo, é melhor repensar a sua rotina. Inclua a checagem desses e de outros pontos que podem interferir de alguma forma na confiabilidade da empresa e garanta que pacientes e médicos estejam sempre satisfeitos com o trabalho realizado por suas equipes. Essa é uma forma de fazer com que todos saiam ganhando!

Agora que você já sabe quais são as principais questões a serem observadas na gestão de um laboratório de análises clínicas, que tal se manter atualizado sobres as tendências e novidades da qualidade?

Para testar gratuitamente nossas soluções, clique aqui. Nos acompanhe também no FacebookInstagramLinkedIn e YouTube. Esperamos você!

>